Sulfatos

Contribuição radiativa (arrefecimento ou aquecimento) das emissões, nos próximos 20 anos

Há um bom tempo que se sabe que nossa influência nas temperaturas na superfície da Terra não depende só do CO₂ originado pela atividade humana, mas também de outros gases de efeito estufa, como o ozônio, o metano, os óxidos de nitrogênio, os CFCs e outros. Há uns quantos anos, passou-se a dar também bastante importância à fuligem – partículas em suspensão emitidas nas oxidações imperfeitas do carbono. Nestas combustões, realizadas a relativamente baixas temperaturas, o produto resultante não é o saudável, incolor, inodoro e insípido CO₂, mas uma fumaça preta e contaminante, que, além disso, aquece a superfície e o ar.

Há, porém, um gás, o SO₂ (dióxido de enxofre), emitido na combustão de carvão “sujo”, que resfria a superfície terrestre, já que, com a água, na atmosfera, produz sulfatos e nuvens sulfurosas que refletem a radiação solar, fazendo com que esta retorne de novo para o espaço extraterrestre. Fora dos informes científicos do IPCC e de revistas especializadas, fala-se pouco dele e de suas circunstâncias, com a crença de que convém mantê-lo no pessoal, aos políticos e aos jornalistas, em uma eterna e supimpa ignorância de tudo o que não seja o emburrecimento bitolado do CO₂.

De um artigo na revista Science extraio e redesenho o gráfico acima. Trata-se da contribuição radiativa, medida em Watts por metro quadrado, dentro de 20 anos, provocada pelas emissões humanas que se realizarão normalmente nos próximos 20 anos (desconsiderando-se o CO₂ e os outros gases acumulados no ar e emitidos no passado).

Resulta que, segundo estes cálculos, o efeito arrefecedor do SO₂ que se emitirá nos próximos 20 anos (devido essencialmente à queima de carvão na China e na Índia) é maior que o efeito aquecedor do CO₂ que se emitirá conjuntamente. Isto quer dizer que se em 20 anos forem fechadas as centrais termoelétricas a carvão, a redução da concentração atmosférica dos sulfatos provocariam no curto prazo um significativo aquecimento do ar. Agora, vá você tentar explicar isto à caterva de 15.000 imbecis em Copenhague…

Ref.: Stacy C. Jackson, 2009, Parallel pursuit of near-term and long-term climate mitigation, Science, 23 de Outubro

O post acima é uma tradução livre do blog CO₂, de Antón Uriarte. Para ver o original, clique aqui

.

1 Response to “Sulfatos”


  1. 1 Lucas K. de Oliveira 20 dezembro 2009 às 7:38 pm

    Mario,
    Parabéns pelo Blog.
    Realmente muito interessante.
    É sempre bom ver como temos pessoas sérias tentando desconstruir estes mitos ambientalistas que tem sido usados para justificar a perniciosa idéia de que os países pobres não podem se desenvolver.
    Abraço,
    Lucas


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Acessos ao blog

  • 419,417 acessos

Responsável pelo blog


%d blogueiros gostam disto: