Quanto é “muita chuva”?

Dando sequência ao post anterior, entre 15 e 16 de março de 1952, em Cilaos, no centro da Ilha de La Réunion, choveu 1.869,9 milímetros em 24 horas. Esse é o recorde mundial de máxima precipitação já observada em 24 horas, em terra. La Réunion é uma pequena ilha no Oceano Índico, a leste de Madagascar, na latitude 21° Sul. Em março de 2007, durante a passagem do ciclone Gamede, La Réunion anotou também o recorde de maior precipitação em 72 horas, 3.929 milímetros, próximo à cratera Commerson.

Cherrapunjee, na Índia, é o lugar mais chuvoso do mundo. Lá chove em média 11.777 milímetros por ano. Esse local coleciona dois recordes mundiais no Guiness. Choveu por lá 22.887 milímetros entre agosto de 1860 e julho de 1861. E em julho de 1861, observou-se por lá a maior precipitação mensal, 9.300 milímetros.

Atualização:

A cidade de São Paulo parece ter batido o seu recorde histórico de chuvas em janeiro, segundo medições feitas na estação do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) no mirante de Santana, na zona norte, a mais antiga e regular da capital. Foram 491,5 mm, superando os 481,4 mm registrado em 1947. A maior concentração de chuvas nesse janeiro chegou a 88,6 mm. Foi o maior volume de chuvas em um período de 24 horas desde fevereiro do ano passado (90,4 mm). Em termos estatísticos, significativamente, não mudou nada…

.

Anúncios

3 Responses to “Quanto é “muita chuva”?”


  1. 1 Amaro 26/02/2011 às 09:46

    Ouvi de um “cientista” que: “nas conversas que tenho com taxistas, eles observam o aumento das chuvas em São Paulo”… hamham, estação hidrológica não serve para nada, o que conta é a voz da sabedoria dos cientistas sociais que são os taxistas, os eleitores do Maluf, e de outros gênios de nossa era…

  2. 2 Mario 03/02/2014 às 08:02

    Janeiro de 2014 foi o mais “seco” da “história” recente na cidade de São Paulo, A série histórica do INMET na cidade de São Paulo começou em 1943…, o que, convenhamos, em termos históricos (cerca de 70 anos), não é lá muita coisa… Foram 239 milímetros no mês inteiro, um pouquinho menos que a metade da “máxima histórica” de 2011, e mesmo assim, tivemos alagamentos e inundações na cidade nesse mês… Ou seja: a variabilidade natural é enorme!


  1. 1 Estações meteorológicas « Boppë: de um pólo a outro Trackback em 21/01/2011 às 06:23

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Acessos ao blog

  • 440,568 acessos

Responsável pelo blog


%d blogueiros gostam disto: