IPCC-AR5 Summary for Policymakers vazou…

Nele, os “maiores cientistas climáticos do mundo” confessam: o aquecimento global foi apenas um quarto do que previram e os computadores consideram os efeitos dos GEE (Gases de Efeito Estufa) de forma errônea.
• Relatório divulgado revela que o mundo se aqueceu apenas um quarto do que o IPCC previu em 2007.
• Os cientistas reconhecem que seus computadores podem ter exagerado nas previsões.

A cópia vazada dos estudos sobre o clima da maior autoridade do mundo revela que as previsões científicas da desgraça iminente estavam muito erradas.

The Mail on Sunday obteve a versão final do relatório que será publicado ainda este mês pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) da ONU, o fiel cão de guarda cujas maçantes “avaliações” de seis em seis anos são aceitas por ambientalistas, políticos e especialistas como o evangelho da ciência do clima.

Elas são citadas em todo o mundo para justificar avultados impostos sobre os combustíveis fósseis e subsídios para a energia “renovável”.

No entanto, o relatório que vazou faz a concessão extraordinária que ao longo dos últimos 15 anos, as temperaturas mundiais registradas aumentaram em apenas um quarto do que o IPCC previu quando publicou a sua última avaliação, em 2007.

Naquela época, o IPCC disse que o aquecimento observado durante 15 anos, de 1990 a 2005, tinha ocorrido a uma taxa de 0,2°C por década, e previu que isso continuaria nos 20 anos seguintes, com base nas previsões feitas pelos modelos climáticos computadorizados.

Mas o novo relatório diz que o aquecimento observado durante os últimos 15 anos até 2012 foi de apenas 0,05°C por década – abaixo de praticamente todas as previsões de computadores.

O “resumo para os fazedores de políticas” de 31 páginas é baseado em uma análise de 2.000 páginas, mais técnicas, e serão publicados ao mesmo tempo. E também, surpreendentemente, revela: os cientistas do IPCC reconhecem que seus modelos de previsão em computadores podem ter exagerado o efeito do aumento das emissões de carbono nas temperaturas do mundo – e não tomaram conhecimento suficiente da variabilidade natural.

Eles reconhecem que a parada no aquecimento global relatada pela primeira vez pelo The Mail on Sunday no ano passado é real – e admitem que seus modelos de computador não foram capazes de prevê-la. E eles não conseguem explicar por que as temperaturas médias mundiais não demonstraram qualquer aumento estatisticamente significativo desde 1997.

Eles também admitem que grande parte do mundo estava quase tão quentes quanto já esteve em um período entre 950 e 1250 dC – séculos antes da Revolução Industrial e quando os níveis da população e de CO₂ eram muito menores.

O IPCC admite que enquanto os modelos de computador preveem uma diminuição do gelo no mar da Antártida, ele realmente tem crescido a um novo recorde. Mais uma vez, o IPCC não sabe dizer o porquê.

A previsão no relatório de 2007 de que os furacões se tornariam mais intensos foi simplesmente descartada, sem qualquer menção.

Este ano tem sido um dos mais calmos das temporadas de furacões na história e os EUA estão atualmente experimentando seu mais longo período que se conhece – quase oito anos – sem que um único furacão de categoria 3 ou acima chegue ao continente.

Um dos autores do relatório, o professor Myles Allen, diretor da Rede de Pesquisas Climáticas da Universidade de Oxford, na noite passada disse que esta deve ser a última avaliação do IPCC – acusando seu complicado processo de produção de “deturpar como a ciência funciona”.

Apesar das muitas incertezas científicas divulgadas pelo relatório, ainda assim contém conclusões apocalípticas familiares – insistindo que o IPCC está mais confiante do que nunca que o aquecimento global é principalmente culpa da atividade dos seres humanos.

Ele diz que o mundo vai continuar a esquentar catastroficamente, a menos que haja medidas drásticas para conter gases de efeito estufa – com grandes aumentos no nível do mar, inundações, secas e o desaparecimento da calota de gelo do Ártico.

Ontem à noite, a professora Judith Curry, diretora de Ciências do Clima no Instituto de Tecnologia da Georgia, em Atlanta, disse que o resumo que vazou mostrou que “a ciência não está claramente estabelecida, está em um estado de fluxo”.

Ela disse que, portanto, não fazia sentido o que o IPCC estava afirmando: que a sua confiança em suas previsões e conclusões aumentou.

Por exemplo, no novo relatório, o IPCC diz que é “muito provável” – 95% de certeza – que a influência humana causou mais de metade do aumento da temperatura entre 1951 e 2010, e “muito confiante” – 90% de certeza – a partir de 2007.

A professora Curry disse: “isto é incompreensível para mim” – acrescentando que as projeções do IPCC possuem um “excesso de confiança”, especialmente quando se considera as áreas duvidosas admitidas no relatório.

Começando em uma semana a partir de amanhã, cerca de 40 dos 250 autores que contribuíram para o relatório – e, supostamente, produziram um consenso científico definitivo – vai realizar uma reunião de quatro dias em Estocolmo, juntamente com representantes da maioria dos 195 governos que financiam o IPCC, criado em 1998 pela Organização Meteorológica Mundial (OMM) e pelo Programa Ambiental das Nações Unidas (UNEP).

Os governos apresentaram 1.800 perguntas e estão exigindo grandes revisões, começando com a falta de consideração para a parada no aquecimento.

A professora Curry disse que espera que as “inconsistências sejam apontadas” na reunião, acrescentando: “o processo de busca de consenso utilizado pelo IPCC cria e amplia os preconceitos que cercam a ciência. Ele deve ser abandonado em favor de uma revisão mais tradicional, que apresenta argumentos a favor e contra – o que seria melhor para apoiar o progresso científico e ser mais útil para os fazedores de políticas”. Outros concordam que o processo agora em curso de avaliação do IPCC é pesado e caro.

O professor Allen disse: “a ideia de produzir um documento de quase infalibilidade bíblica é uma deturpação de como a ciência funciona, e precisamos olhar com muito cuidado sobre o que o IPCC pretende no futuro”.

Céticos das mudanças climáticas são mais francos. O Dr. Benny Peiser, da Global Warming Policy Foundation, descreveu o relatório divulgado como uma “mistura impressionante de confusão, especulação e pura ignorância”.

Quanto à parada no aquecimento, ele disse: “parece que o IPCC está ficando sem respostas… para explicar porque é que há um fosso cada vez maior entre as previsões e a realidade”.

The Mail on Sunday também viu uma versão preliminar do relatório, com data de outubro do ano passado. Há muitas diferenças marcantes entre ele e a versão “final” atual.

O rascunho de 2012 não fazia nenhuma menção à parada, e longe de admitir que a Idade Média foi excepcionalmente quente, ele afirmava que as temperaturas de hoje em dia são as mais altas há pelo menos 1300 anos, como fez em 2007. O professor Allen disse que a mudança “reflete uma maior incerteza sobre o que estava acontecendo no milênio passado”.

Outra alteração na nova versão é o dimensionamento pela primeira vez abaixo de um ponto de referência fundamental, a “sensibilidade climática de equilíbrio” – na medida em que se esperava que o mundo aquecesse quando os níveis de CO₂ dupla.

As coisas como estão, o ambiente deverá ter duas vezes mais CO₂ que em tempos pré-industriais por volta de 2050. Em 2007, o IPCC disse que o aumento “mais provável” era de 3°C, com até 4,5°C ainda “provável”.

Agora, não dá um valor “mais provável” e admite que é “provável” que pode ser tão pouco como 1,5°C – dando assim ao mundo muito mais décadas para descobrir como reduzir as emissões de carbono antes que as temperaturas subam a níveis perigosos.

Como resultado da parada no aquecimento, vários estudos científicos recentes de revisão por pares têm sugerido que o verdadeiro valor para a sensibilidade é muito menor do que qualquer um desses – os do IPCC incluídos – que foram previstos: provavelmente, menos de 2°C.

Ontem à noite, o chefe de comunicações do IPCC Jonathan Lynn se recusou a comentar o assunto, dizendo que o relatório divulgado “ainda é um trabalho em progresso”.

Computador do Met Office é “fundamentalmente falho”, diz nova análise

O Met Office britânico emitiu “declarações erradas e deturpações” sobre a parada no aquecimento global – e seu modelo climático de computador é fundamentalmente falho , diz uma nova análise por um pesquisador líder independente.

Nic Lewis, um cientista climático credenciados “perito avaliador” pelo IPCC, também aponta que o carro-chefe dos modelos climáticos do Met Office sugere que o mundo vai aquecer duas vezes mais em função do CO₂ quando comparado com alguns institutos líderes, como o Centro de Clima da NASA nos EUA.

O valor atual do modelo do Met Office para a “sensibilidade climática de equilíbrio” (ECS) – quanto mais quente o mundo vai ficar cada vez que o CO₂ dobra – é 4,6°C . Este valor está acima da própria gama de “provável” do IPCC e do nível de “95% de certeza” estabelecido por pesquisa de revisão de pares recente.

O trabalho de Lewis é um contundente documento em relação ao “aquecimento futuro” emitido pelo Met Office em julho, que pretendia explicar por que a parada no aquecimento global atual de 16 anos não é importante, e não significa que a ECS é menor do que se pensava anteriormente.

Lewis diz que o documento fez alegações enganosas sobre o trabalho de outros cientistas – por exemplo, deturpando detalhes importantes de um estudo realizado por uma equipe que incluía Lewis e outros 14 especialistas do IPCC. O papel da equipe, publicado na prestigiosa revista Nature Geoscience, em maio, disse que a melhor estimativa da ECS foi de 2°C ou menos – bem menos da metade da estimativa do Met Office.

Ele também dá indícios de que outro modelo chave do Met Office está intrinsecamente desviado. O resultado é que ele sempre vai produzir altos valores para o aquecimento induzido pelo aumento do CO₂, não importa como os seus botões de controle são alterados, porque o seu cálculo do efeito de resfriamento da fumaça, da poluição e da poeira – o que os cientistas chamam de “forçamento do aerosol” – é simplesmente incompatível com o mundo real.

Isto tem implicações graves, porque o modelo do Met Office HadCM3 é usado para determinar projeções climáticas do governo, que influenciam a política.

O Sr. Lewis conclui que a modelagem do Met Office é “fundamentalmente insatisfatória porque governa efetivamente fora desde o início a possibilidade de que ambos dos aerossóis e da sensibilidade climática são modestos”. No entanto, escreve ele, “esta é a combinação que as observações recentes suportam”.

O Met Office disse que iria examinar o documento e responder oportunamente.

E por aí vai…

O post acima é uma tradução livre do artigo de David Rose publicado no The Mail on Sunday em 14/09 e atualizado em 19/09. Para ver o original, clique aqui

.

2 Responses to “IPCC-AR5 Summary for Policymakers vazou…”


  1. 1 Prof. Ernani Sartori 19 setembro 2013 às 10:17 pm

    Há cerca de 5-6 anos atrás, já nas primeiras leituras, quando comecei a me interessar por essa estória de “aquecimento global” (já que minha área das ciências exatas é outra e verifiquei que eu tinha contribuições a dar nessa área também), logo percebi que a ciência dessa gente empírica (só depende de dados experimentais, uns daqui e outros dali, sem conexão teórica entre eles) que comanda essa área (meteorologistas, climatologistas, hidrologistas, etc.) é muito fraca, errônea e absurda, e vivem de fazer “previsões”, e logo pensei que tal coisa não poderia durar muito. Basta dizer que toda essa estória de “aquecimento global” baseada no CO2 começou porque alguém encontrou uma coincidência entre um aumento de CO2 com um aumento de temperatura, e disso começou tudo o que lemos e ouvimos de lá para cá. Mas essa coincidência é muito questionada, pois há vários problemas nessas temperaturas (por exemplo: aumento do urbanismo, representatividade geográfica dessas temperaturas, localizações pontuais dessas medições, erros, etc.) além de que há muitos questionamentos sobre a influência do CO2 bem como tal “coincidência” não é observada ao longo de toda história. O CO2 não tem poder para controlar o clima, pois como mostro no meu blog e em artigo científico publicado em revista internacional, a influência do CO2 é da ordem de um por cento e isso a tal gente não sabe, não dá importância ou dá valor pra coisas irrelevantes, erradas e sem valor científico. O que me impressiona muito é que na verdadeira ciência uma simples coincidência pode servir para chamar e prestar atenção sobre alguma coisa ou evento, mas não para usá-la para impor uma “teoria” levianamente e, sobretudo, impor destinos para toda a humanidade, e esse é o maior absurdo, pois a ciência verdadeira precisa ser prudente e não ignorante (sem base cientifica). Então, dessa “coincidência” veio tudo o mais. Um mundão de gente começou a publicar trabalhos sempre admitindo inexoravelmente que o CO2 é o responsável por um aquecimento global e por tudo que é mudança climática. E o incrível é que as revistas dessa gente aceitam todo tipo de trabalho que coloca a culpa no CO2 e não aceitam, sob hipótese alguma, artigos que não digam isso, ou que digam o contrário. Até assuntos que não têm nada a ver com o CO2, mas cujo artigo coloca esse gás como culpado, é aceito. Esse é o caso do artigo sobre o qual fiz a análise científica e que o CO2 não tem nada a ver com a questão. E, como sempre, usam os seus “modelos” (furados e com absurdos de ciência). Por isso, não adianta usarem supercomputadores, pois esses apenas calculam as orientações furadas que essa gente coloca nesses equipamentos burros, que dão as respostas que seus manipuladores esperam. Então, não é que lá no começo essa gente começou a enganar o mundo só para enganar, mas é que a “ciência” deles não se sustenta, não é ciente e por causa disso estão tentando de todas as maneiras sustentar o que sempre afirmaram, como o caso do “Climategate”. Isso sempre tenho afirmado desde o começo, até mesmo quando todo mundo achava que era um sacrilégio falar contra a ciência de multidões de cientistas. Concomitante, dizer que o CO2 controla o clima do planeta é ignorância científica e dizer que o Sol domina o clima no mundo é ingenuidade científica. Por outro lado, por incrível que pareça, o ser humano pode sim interferir no clima, mas não do jeito que sempre disseram. Por exemplo, se uma gota a mais de água for jogada para cima, uma gota a mais de água voltará. E, agora, vejam isso: 40% de todo o consumo de água daqueles que nos USA e abUSA são feitos por termelétricas e usinas nucleares e 50% do consumo de água da Europa são feitos por essas mesmas usinas. Então, muita água tem de voltar, não é? E sem ter sido enviada para o alto naturalmente! Saibam mais sobre isso e muito mais em meu blog. E lá vocês também conhecerão o Novo Ciclo Hidrológico que descobri e cujas demonstrações física e matemática jamais foram feitas, até mesmo para o ciclo hidrológico convencional.


  1. 1 IPCC-AR5 o “Sumário Executivo” vazou… | FakeClimate Trackback em 24 setembro 2013 às 1:00 am

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Acessos ao blog

  • 419,417 acessos

Responsável pelo blog


%d blogueiros gostam disto: